Pesquisar este blog

sábado, dezembro 16, 2006

CHEIRINHO DE NATAL



Há uma publicação de Mário de Andrade [no final deste artigo] que me deixou com água na boca para escrever sobre ceias familiares. Gostaria de ter a lembrança de uma só ceia de Natal com meus 'queridos' que longe estão... para deixar gravado um só instante do nosso espírito de Natal. Foram tantas tão boas.... No Natal a gente ficava em nossa casa, e a ceia era às 22 hs. Na maior parte das vezes, na nossa família, cada unidade familiar ficava no próprio lar. As vezes íamos cumprimentar os familiares que provávelmente estariam no casarão, a poucos metros. Ou no dia de Natal nos encontrávamos.
Dizem que hoje o Natal é puro consumismo. Sem dúvida é o que se vê em um primeiro momento. As coisas mudam, e o espírito é o mesmo. Tem gente que não gosta do Natal justamente por achar que é uma instituição, e é mesmo. Então o que faz o Natal? Não é a data,nem a instituição deste dia. É um acontecimento que faz com que brote a lembrança do aconchego da infância, do carinho dos pais, é a internalização do amor que surge para os adultos como o espírito de Natal.
Queremos então agradar às crianças, ficamos nostálgicos, e super agitados, o que pode acarretar quadros psicossomáticos. A criança fica tão estimulada, que não raro, os pediatras nesta época são procurados. Também quem interioriza o espírito de Natal, como eu, fica sujeito a tristeza... porque afinal, já perdemos tantas pessoas. A dica é: montar a árvore, a ceia, e lembrar-se muito de tanto amor.

Tudo que está para ser resolvido fica para o ano que vem. Quantas conversas são adiadas, o que deve ser útil, pois neste clima é difícil ter-se a serenidade para resolver coisas íntimas. No Natal não se separa, muito pelo contrário, as pessoas que estão separadas tendem a se procurar e ficarem juntas.
Vários reencontros são comemorados no Natal, noivados, e outros compromissos. No Natal 'cai a ficha' do que é importante, para os mais conservadores. Em termos de comportamento melhor ter um lenço a disposição, para eventuais 'crises'. Ficamos muito vulneráveis.
Cada qual segue o ritual familiar que é a base do sentimento do Natal da nossa infancia.
Por via das dúvidas é bom colocar já um ramo de videira ou uma parecida em cima da porta de entrada e dar um jeito de beijar a companheira (ou a eleita). É um costume antigo... tomar um licor Strega com o(a) parceiro(a) no mesmo copo é vital (lenda da Calábria).
E tenha um lindo Natal, compartilhar da ceia da vida é um presente de Deus.

Link: http://www.releituras.com/marioandrade_natal.asp
som: http://wilstar.com/xmas/xmasjuke.htm
Postar um comentário

Citação

Jung: ...A vida nada mais é do que um hiato. O que fazemos dela, o sentido que damos para ela enquanto vivemos importa mais do que qualquer acúmulo de glória e riquezas materiais.