Pesquisar este blog

quinta-feira, maio 22, 2008

Marido dá Trabalho?

Pesquisa comprova

Matéria de CLÁUDIA JORDÃO
Clique no título e leia a matéria na íntegra.


Foto:
doiscliques.blogs.sapo.pt


Comentário

O fato de o casamento trazer para a mulher muito trabalho não é novidade. Entretanto, aparecer pesquisa no assunto é no mínimo interessante. Isto nos faz crer que os trabalhos de conscientização das diferenças de gênero estão fortes e atingindo as camadas da classe média. As meninas ainda sonham com o o 'príncipe encantado' e investem no casamento como um sonho a ser concretizado nos moldes de 'Cinderela'. Este conto de fadas custa muito no desenrolar do tempo. Primeiro, porque a união estável é mundo real , e ambos necessitam se envolver e estarem realmente comprometidos. Segundo e mais importante, 'Cinderela' acostumada a trabalhar antes de casar-se, certamente iria ficar entediada e arrumaria algum jeito de se ocupar, já que pertencia a faixa da sociedade que 'sonha muito e tem pouco'. Esta parte do mito ninguém conta, afinal o adestramento da mulher em questões de subserviência à cultura ainda é grande.
Os garotos sempre souberam o que era o casamento, embora sonhadores, e talvez por isto sejam até hoje refratários ao compromisso. As garotas já mais desenvolvidas intelectualmente sabem a dificuldade de montar uma família, mas emocionalmente rendem-se aos encantos do sonho. No final todos ficam felizes, e depois de um tempo vem a realidade e o jovem casal começa a desconfiar que a estória não é bem assim. Desilusão e brigas. E com quem ficam as crianças? Tem que haver maior preparo.
Para tal, sugiro a leitura dos tópicos deste blog referentes à Mulher, e também: http://noelizapsy.blogspot.com/2006_11_01_archive.html

Por Noeliza Lima

Citações:
Cinderela- interpretação de Eric Berne, psicanalista e psiquiatra no livro: 'What do You Say After you Say Hello? - 'O que Você diz Depois de Dizer Olá'.

A SITUAÇÃO DA MULHER - NO ARQUIVO - CLIQUE


Postar um comentário

Citação

Jung: ...A vida nada mais é do que um hiato. O que fazemos dela, o sentido que damos para ela enquanto vivemos importa mais do que qualquer acúmulo de glória e riquezas materiais.