Pesquisar este blog

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Ao Mestre Com Carinho


Hoje, ao verificar a notícia do falecimento do meu estimado professor, não pude deixar de prestar uma pequena homenagem póstuma, e deixar minha estima à família enlutada.
Era um mês de março, com o friozinho se instalando, quando eu fui conhecer meu futuro orientador. Deliciosos anos juvenis, 1974-77, na antiga Pós de Psicologia da ainda Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Meu trabalho seria um estudo psicodiagnóstico de crianças das Escolas Municipais de Campinas, para verificar a incidência da Disfunção Cerebral Mínima (hoje TDAh). Precisava de um orientador que fosse versado no tema, e felizmente Dr. Mauricio Knobel estava lá como docente.
Meu novo orientador indicou-me então muitos livros para o embasamento teórico. Como haviam poucos no Brasil, emprestou-me alguns textos, outros me deu cópias, muito dinâmico e conhecedor.
Lembrei-me que já o tinha visto, em um primeiro congresso no qual participei, ainda como aluna do 5° ano, no Rio de Janeiro (1972). Neste congresso Dr. Knobel introduzia aos brasileiros o Dr. Eduardo Kalina, na época o maior especialista em psicanálise de adolescentes. Eu me considerava já analista de comportamento, então era 'sui-generis' minha participação neste congresso. Entretanto sempre quis conhecer mais e mais, e cheguei até lá com minhas queridas amigas: Betinha,Maria, Tânia (que me lembro...). Foi uma experiência inenarráve. O professor Knobel, era o convidado de honra, já que sua chegada ao Brasil foi muito festejada, como um ícone que era da psicanálise e da academia.Estávamos orgulhosas também porque nossa professora de TTP estava lá como uma das organizadoras, prof. Regina Maria L. Lopes Carvalho. Que a vida me traria de presente 26 anos depois como orientadora no meu segundo mestrado, na mesma Universidade.
Dr. Knobel viajava bastante enquanto foi nosso professor nos idos de 1975-76, sem deixar seus orientandos, e minha dissertação chegou ao final.O fato inglório é que foram tantos dados que os processadores na época não tinham como colocar símbolos para a linguagem de computador. Infelizmente não foi defendida minha tese, não houve como tabular os dados.
Tive contato mais tarde com a prof. Clara Knobel, como professora de TEP na PUCC, disciplina a qual ministrávamos juntas. Criou-se uma amizade entre nós, e sempre que a encontrei senti muita alegria e confôrto.
Gosto de deixar gravado acontecimentos que mostram que uma simples passagem na vida de alguém pode deixar lembranças por toda uma vida. Fique com Deus, professor!

Obs. Rosa: foto de Jorge Soares:
http://sol.sapo.pt/photos/central/picture39171.aspx
Postar um comentário

Citação

Jung: ...A vida nada mais é do que um hiato. O que fazemos dela, o sentido que damos para ela enquanto vivemos importa mais do que qualquer acúmulo de glória e riquezas materiais.