Pesquisar este blog

quarta-feira, junho 03, 2009

Terapia pelo Movimento

Por Dra. Cristina Sales

Partindo do pressuposto de que há uma relação de interdependência constante entre o ser humano e seus movimentos, na medida em que é através da nossa postura, dos nossos gestos, da nossa expressão corporal, do que (não) escolhemos como actividade física ao longo da nossa vida, que expressamos quem somos e contamos a nossa história, podemos concluir que cada corpo é como uma impressão digital: único, porque pertence a um ser único, com uma história única.

Ao longo desta história, muitas vezes os registos emocionais e físicos provocam adaptações, que por sua vez provocam desequilíbrios que se traduzem por: más posturas, diversas patologias ósteo-articulares, baixo índice de controle neuro muscular, indisponibilidade física, emocional e mental, desconforto, dor, baixa auto estima,etc..

Na Terapia pelo Movimento, buscamos “dialogar” com cada corpo de forma personalizada, para perceber as zonas de desequilíbrios e, sobretudo, para colocar o indivíduo a “dialogar” com o seu próprio corpo, através de movimentos que solicitem sempre a consciência corporal, para que este diálogo se processe, não de forma mecânica (por imitação/reprodução/repetição), mas de forma consciente, para uma verdadeira aprendizagem motora e activação das qualidades físicas de base.

Esta aprendizagem motora tem bases sólidas e “transfer” para os movimentos da vida e para outras actividades. Proporciona uma maior qualidade de vida e a mobilização do corpo não como um inimigo (que nos provoca dor e desconforto), mas como um verdadeiro aliado na gestão das solicitações da nossa vida diária e das nossas emoções.

A nossa abordagem assenta nos conhecimentos específicos técnicos e científicos da área da Educação Física/Motricidade Humana (Anatomia, Fisiologia, Cinesiologia, Biomecânica, Motricidade Infantil, Psicomotricidade, Gerontomotricidade, Teorias do Treino, etc.), bem como de conhecimentos complementares, provenientes de outros métodos de intervenção focados na consciência corporal e no ser humano como um todo, tais como os desenvolvidos por Joseph Pilates (Método Pilates), Ida P. Rol f(Rolfing), Leopold Busquet (Cadeias Musculares), David Servan-Schreiber (Anticancer), etc..

A sua aplicação é muito abrangente: desde stress, ansiedade, depressão, obesidade, baixo índice de massa muscular, rigidez muscular, má postura, disfunção no crescimento, limitações motoras da idade, patologias neuro musculares e ósteo-articulares,etc., até pessoas sem nenhum condicionante grave mas que queiram investir numa actividade física que tem como objectivo qualidade de vida a longo prazo.

Melhor postura, um corpo mais equilibrado(massa gorda/massa magra; força/flexibilidade), maior controle da mente sobre o corpo, maior consciência da respiração e do seu papel no bom funcionamento do corpo, mobilização articular, melhor coordenação motora, concentração, foco, domínio de si, confiança, auto estima, maior disponibilidade física, emocional e mental, são alguns dos benefícios de quem frequenta a Oficina do Movimento.

Da mesma maneira que a nossa história constrói o nosso corpo, na Terapia pelo Movimento acreditamos que o nosso corpo também pode ser accionado para reconstruir a nossa história.

Na Oficina do Movimento, construímos com cada um, de forma personalizada, um corpo mais harmonioso, equilibrado e feliz.


Meus Comentários


Desde o inicio de minha vida profissional tenho verificado a importância da consciência corporal através do movimento. Com os ensinamentos de Varda Dascal (Art and Movement Therapy) pude trabalhar com pacientes psiquiátricos nos anos 70. Naquela época atendiam-se pessoas portadoras de várias 'doenças'. Em especial preparei e realizei um trabalho no hospital Cesário Motta, em Piracicaba (hoje inexistente)com pessoas que seriam atualmente diagnosticadas na psiquiatria tradicional como esquizofrênicos, portadores de bipolaridade, ritmopatias, retardo psicomotor e ou intelectual. Depois, atraves da técnica 'O Movimento Como Metáfora'trabalhei com cuidadores(as) e crianças com ritmopatias e transtorno de déficit de atenção. Atualmente estou desenvolvendo novamente este projeto com pessoas de diagnóstico atípico e suas famílias.
Leia mais:
O Movimento Como Metáfora O Movimento Como Metáfora Noeliza Pesquisa - publicada Terapia Pela Dança e Movimento Supervisão: Varda Dascal - Tel Aviv. Trabalho de Mestrado em Psicologia PUC-Campinas, atualizado. Corrigir endereço eletronico de publicação: http://tesseract.sites.uol.com.br Informações : ngroupsy@yahoo.com
Postar um comentário

Citação

Jung: ...A vida nada mais é do que um hiato. O que fazemos dela, o sentido que damos para ela enquanto vivemos importa mais do que qualquer acúmulo de glória e riquezas materiais.